Claro
Escuro

Jovem encontrado em carro em chamas morreu ao inalar fumaça após ser estrangulado, diz laudo

A perícia no corpo do jovem que foi encontrado morto dentro de um carro em chamas, no bairro das Malvinas, em Campina Grande, Agreste da Paraíba, foi concluída e divulgada pelo Instituto de Polícia Científica (IPC), nesta quarta-feira (29). De acordo com o laudo, a causa da morte foi por meio físico-químico, que é quando se tem o uso da força física junto com a aspiração da fuligem da fumaça.

- Continua depois da Publicidade -

De acordo com o diretor do IPC, Márcio Leandro, tentaram estrangular Daniel Vitor Cavalcanti Brito, de 21 anos, com alguma corda, fita ou cordão, mas não conseguiram matá-lo dessa forma. Os ferimentos causados pela tentativa de esganadura deixaram Daniel inconsciente.

Inconsciente, no banco de trás do carro, ele começou a aspirar a fumaça, que estava saindo do interior do veículo. Já que existem vários produtos inflamáveis que compõem as peças do carro, Daniel morreu com a aspiração da fuligem da fumaça. Ou seja, Daniel poderia estar vivo se não fosse o fogo ateado no carro, após a tentativa de estrangulamento.

“Tinha marca de fumaça por todo o sistema respiratório dele, se não tivessem ateado fogo no carro, provavelmente ele estaria vivo ”, afirmou Márcio.

De acordo com o g1, o laudo ainda informou que Daniel tentou lutar pela vida, antes de ficar inconsciente.

“Observamos que no pescoço do Daniel tinha sucos, que são marcas no interior do pescoço. Ele tentou lutar para que isso não acontecesse, porque tinha várias cartilagens no interior do pescoço. Isso é uma característica de que ele tentou se desvencilhar [da corda, fita, ou cordão], mas não conseguiu”, disse o diretor.

A Polícia Civil continua investigando o caso para poder entender o que aconteceu na noite do crime e identificar e localizar os suspeitos pela morte de Daniel.

Entenda o caso

O corpo de Daniel Vitor Cavalcanti Brito, de 21 anos, foi encontrado dentro de um carro em chamas, no bairro das Malvinas, em Campina Grande, no Agreste da Paraíba, na noite da segunda-feira (27). Segundo informações passadas pela Polícia Militar, moradores ligaram para os agentes depois de perceberem o fogo no veículo.

Conforme a delegada Elizabeth Beckhan, o jovem teve o celular e o relógio levados. Por isso, a polícia suspeita de latrocínio – crime em que acontece roubo seguido de morte. Daniel também não tinha envolvimento com crimes, inimigos ou dívidas.

Daniel trabalhava como motorista de transporte por aplicativo. Ele também era estudante do curso de engenharia civil, em uma universidade particular de Campina Grande.

Segundo a mãe do jovem, ele saiu de casa por volta das 18h45 para a primeira corrida da noite. “Acho que foi um assalto, só que foi muito cruel. Só levaram o celular dele. Na verdade, era só o que ele tinha”, completou.

Foto: Reprodução/Tv Paraíba

Mais Lidas

Prefeitura de Bayeux suspende atendimento presencial em repartições públicas por sete dias

O atendimento presencial em secretarias municipais e demais órgãos da Prefeitura de Bayeux está suspenso por sete dias. A medida anunciada nesta...

Governo descarta fundo para baixar preços de combustíveis e Guedes quer desonerar só diesel

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) decidiu descartar a proposta de criação de um fundo de estabilização...

Governo libera R$ 3,5 bi para internet nas escolas

O presidente Jair Bolsonaro (PL) assinou decreto estabelecendo critérios para o repasse de R$ 3,5 bilhões para dar acesso à internet a...

Papa diz que fake news e desinformação sobre Covid são uma violação dos direitos humanos

O Papa Francisco disse nesta sexta-feira (28) que a disseminação de notícias falsas e desinformação sobre a Covid-19 e vacinas, inclusive pela...

Flamengo anuncia a contratação de Marinho, do Santos, seu primeiro reforço de 2022

O Flamengo oficializou nesta sexta-feira a contratação do atacante Marinho, que estava no Santos. Ele desembarcou no Rio de Janeiro na noite...