Estados dizem que Pazuello errou estoques de seringas informados ao STF

blank

Secretarias estaduais de Saúde afirmam que o Ministério da Saúde errou as informações enviadas em ofício ao STF (Supremo Tribunal Federal) em que diz que 7 Estados não têm seringas e agulhas para a campanha de vacinação contra o coronavírus.

No documento (íntegra – 4 MB), a pasta, comandada por Eduardo Pazuello, diz que Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco e Santa Catarina não têm estoque suficiente para atender à demanda inicial de aplicação das vacinas.

O ofício foi enviado ao Supremo para cumprir decisão do ministro Ricardo Lewandowski, que determinou que o Ministério da Saúde detalhasse os quantitativos de seringas e agulhas nos Estados.

Dos Estados mencionados, só o Acre não divulgou nota apontando o erro do Ministério da Saúde. Eis abaixo a dos demais:

Santa Catarina;

Bahia;

Mato Grosso do Sul;

Pernambuco;

Paraíba;

Espírito Santo.

A Secretaria de Saúde de Santa Catarina informou que tem 9,5 milhões de seringas e 3 milhões de agulhas. Além disso, receberá nos próximos dias mais 7 milhões de agulhas e 500 mil seringas. No ofício ao Supremo, o Ministério da Saúde disse que o Estado possuía apenas 590 mil unidades.

Na Bahia, o governo federal disse ao STF que o Estado tinha apenas 232,2 mil seringas e agulhas. No entanto, a secretaria de Saúde disse ter 10,2 milhões de seringas e agulhas em estoque. “Este quantitativo [232,2 mil] refere-se à seringa que vem da Índia com trava, 0,05 ml, acompanhando a vacina BCG”, afirmou.

“Adicionalmente, foram adquiridas 19,8 milhões de seringas e agulhas, com a entrega de 4 milhões nos próximos 15 dias, 4 milhões em fevereiro e o restante nos meses de abril, maio e junho”, acrescentou.

A secretaria ainda divulgou um vídeo mostrando o estoque.

Sobre o Mato Grosso do Sul, o Ministério da Saúde informou que o Estado tinha apenas 162.800. Em nota, a secretaria de Saúde disse ter 2,5 milhões de seringas e agulhas em estoque –total suficiente para iniciar a vacinação contra o coronavírus, informou.

“Além dos estoques de 2,5 milhões de agulhas e seringas, o governo do Estado possui 2 processos em andamento para aquisição dos insumos. Um para aquisição de 740.689 seringas e agulhas, e outro para aquisição de 7 milhões de seringas e agulhas”, disse, acrescentando que a decisão de adquirir insumos foi para antecipar a “morosidade do Ministério da Saúde” na estratégia de vacinação.

A Secretaria de Saúde de Pernambuco disse ter de 3,9 milhões de unidades em estoque, e que ainda vai receber mais 2,8 milhões de seringas até o fim de janeiro e outras 7,5 milhões até o fim de fevereiro, totalizando 14,2 milhões de unidades. O Ministério da Saúde colocou no ofício que o Estado teria apenas 1,2 milhão de seringas e agulhas.

O Espírito Santo disse, em nota, que “o Ministério da Saúde repassou informações infundadas ao STF”. O governo estadual diz contar com 1,7 milhão de seringas em estoque e que adquiriu mais 6 milhões que serão entregues de maneira fracionada até o final de janeiro.

“Além dos 6 milhões, a secretaria de Saúde ainda tem outro processo de aquisição tramitando para a compra de mais 10,5 milhões de seringas através de Ata de Registro de Preços”, informou.

Sobre a Paraíba, o governo federal disse que o Estado tem 311 mil seringas e agulhas. O secretário estadual de Saúde, Geraldo Medeiros, disse que “este dado é antigo, uma vez que a Paraíba conseguiu realizar aquisição das agulhas e seringas e existe estoque suficiente para a primeira fase da campanha“.

“Além das 286 mil seringas e agulhas já disponíveis, a Secretaria aguarda para os próximos dias a entrega de mais 272 mil seringas e agulhas e mais 1,8 milhão que serão entregues ao longo do período da campanha, assim como as doses da vacina”, disse a secretaria.

VACINAÇÃO NO BRASIL

Nessa 5ª feira (14.jan.2021), ministro Eduardo Pazuello (Saúde) divulgou a um grupo de mais de 100 prefeitos o “Dia D” e a “Hora H” da vacinação contra a covid-19 no Brasil. A largada para a imunização será em 20 de janeiro, a partir das 10h, em todo o território nacional.

Segundo o msn, a informação foi confirmada pela FNP (Frente Nacional de Prefeitos) e por gestores locais que participaram do encontro virtual.

Na 4ª feira (13.jan.2021), o ministro declarou que 6 milhões de doses da vacina do Butantan/Sinovac foram compradas e aguardam aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para serem distribuídas. O imunizante, segundo o governo paulista, tem 50,38% de eficácia global (isto é, eleva em 50,38% as chances de a pessoa vacinada não contrair a doença) e reduz em 78% o risco de desenvolver casos leves.

O governo também aguarda a aprovação da Anvisa à vacina produzida pela Fiocruz, desenvolvida pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford. Essa vacina tem taxa de eficácia superior a 90%, segundo estudo.

“Assim que a Anvisa aprovar as duas vacinas, em 3 ou 4 dias iniciaremos a imunização em todos os Estados”, afirmou Pazuello.

Foto: Carolina Antunes.