Claro
Escuro

Caixa vai estender pausa para pagar prestação de imóvel, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (14) que a Caixa Econômica Federal vai estender por mais um mês a pausa emergencial para o pagamento de financiamentos habitacionais. Segundo o presidente, dos 5 milhões de clientes do crédito imobiliário, mais de 2,3 milhões já solicitaram a pausa ao banco.

- Continua depois da Publicidade -

“As pessoas não têm dinheiro para pagar a prestação da casa própria”, disse ele, ao deixar o Palácio da Alvorada. No primeiro momento, como medida de socorro financeiro pelos impactos da pandemia de covid-19, a Caixa anunciou uma pausa de até dois meses para o pagamento das prestações, depois prorrogou por mais um mês e agora, segundo Bolsonaro, a pausa será ampliada para quatro meses, no total.

De acordo com a Caixa, só têm direito ao benefício os contratos que estão em dia ou com, no máximo, duas prestações atrasadas. O cliente que tem três ou mais parcelas em atraso deve fazer uma renegociação com o banco.

Para o presidente, entretanto, para que a medida funcione, é preciso garantir a renda e o emprego dos trabalhadores. Bolsonaro defende o isolamento social apenas para as pessoas do grupo de risco da covid-19 e o fim do isolamento para toda a população. Com a retomada das atividades e do comércio, segundo ele, haverá demanda para as indústrias voltarem a produzir e gerar empregos.

“Não adianta apenas prorrogar [o pagamento] se o cidadão que perdeu o emprego, teve salário reduzido, não tem como pagar a prestação da casa própria. O que está sobrando de dinheiro para ele está sendo pra comida”, disse. “O Brasil está quebrando e, depois de quebrar, a economia não se recupera. Vamos ser fadados a ser um país de miseráveis. Temos que ter coragem de enfrentar o vírus. Está morrendo gente? Está, lamento. Mas vai morrer muito mais se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas”, ressaltou.

Autoridades de saúde orientam a população e os governos a adotar as medidas de isolamento e distanciamento social como forma de prevenção à disseminação do novo coronavírus. Como ainda não há vacina nem remédio, comprovado cientificamente, contra a covid-19, a orientação visa a frear a transmissão do vírus para evitar que os sistemas de saúde fiquem sobrecarregados e consigam atender a todas as pessoas que venham a ficar doentes.

Bolsonaro fez um apelo aos governadores para que revejam a política de fechamento do comércio e disse que está pronto para conversar. “O Brasil está se tornando um país de pobres. Vai chegar um ponto em que o caos vai se fazer presente aqui. Essa história delockdown, de fechar tudo, não é esse o caminho, esse é o caminho do fracasso, de quebrar o Brasil”, afirmou.

Crédito imagem: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

News Paraíba com Agência Brasil

Mais Lidas

Vítor Hugo confirma Calcinha Preta e Zé Vaqueiro como atrações principais do Arraiá do Litoral 2022, em Cabedelo

O Arraiá do Litoral em Cabedelo volta a animar a Praça Getúlio Vargas após dois anos sem ser realizado de forma presencial,...

Prefeitos do Sertão recepcionam João Azevêdo e reforçam apoio à reeleição do governador

Prefeitos do Sertão da Paraíba reafirmaram, nesta quinta-feira (19), o apoio à pré-candidatura à reeleição do governador João Azevêdo (PSB). Dentre os...

Em nota, Cícero Medeiros explica reforma da Câmara de Santa Rita e lamenta obra parada: “Minha vida pública sempre foi um livro aberto” 

Em nota aos santarritenses, emitida na tarde desta quinta-feira (19), o presidente da Câmara Municipal de Santa Rita, Cícero Medeiros, explicou os...

BOMBA: Reginaldo Pereira acusa empresa de oferecer propina de R$ 15 milhões mais dinheiro para reeleição para privatizar água de Santa Rita; veja video

A declaração foi dada durante participação no programa Arapuan Verdade, da Arapuan FM, desta quarta-feira(18). O ex-prefeito de Santa...

Vítor Hugo anuncia construção do Centro de Convenções de Cabedelo

A noite de encerramento do Festival de Teatro e Dança foi palco de uma grande surpresa esperada há tempos pelos cabedelenses.