PSOL denuncia Bolsonaro à ONU após fala sobre violência contra a mulher

Deputadas da bancada do PSOL na Câmara denunciaram o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Relatoria Especial da ONU para Violência contra as Mulheres nesta quinta (6) após fala sobre o tema. “Não é dinheiro e recurso apenas.

É postura, mudança de comportamento que temos que ter no Brasil. É conscientização”, declarou o presidente nesta quarta-feira (5), na saída do Palácio da Alvorada, ao ser questionado sobre recursos financeiros destinados a políticas para mulheres.

Bolsonaro, então, passou a defender medidas adotadas pela ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), como o seu programa de prevenção à gravidez na adolescência.

Segundo a Folha de S.Paulo, no documento, as deputadas Fernanda Melchionna, Talíria Petrone, Luiza Erundina, Sâmia Bomfim e Áurea Carolina pedem que a relatora da pasta na ONU, Dubravka Simonovic, venha ao Brasil “para que sejam observados diretamente os impactos do esvaziamento orçamentário no aumento da violência no país”.

O Ministério da Saúde registra que a cada quatro minutos uma mulher é agredida por ao menos um homem e sobrevive. Em 2018, foram registrados mais de 145 mil casos de violência —física, sexual, psicológica e de outros tipos— em que as vítimas sobreviveram. Cada registro pode incluir mais de um tipo de violência.

“Num contexto de aumento do feminicídio no país, o governo federal não destinou nenhum recurso para a política de Igualdade e Enfrentamento à Violência contra as Mulheres em 2020, como o Ligue 180. A Casa da Mulher Brasileira, por sua vez, recebeu orçamento irrisório”, afirma a denúncia, que é assinada por todos parlamentares do partido na Câmara.

Foto: Pedro Ladeira

Facebook Comments