O mar não está dos mais calmos para o prefeito da cidade de Soledade, Geraldo Moura. Depois de passar mais de vinte dias internado em Campina Grande, lutando contra a covid-19, agora ele está na ‘mira’ do Ministério Público (MP). O gestor foi denunciado por, supostamente, ter recebido propina de um empresário que mantinha contrato com a prefeitura na área da saúde.

As investigações foram feitas pela Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade e Improbidade Administrativa (Ccrimp), com o apoio do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).

Segundo a denúncia, os fatos teriam ocorrido nos anos de 2018 e 2019, mas só chegaram ao conhecimento dos promotores em maio do ano passado, através de uma representação feita por um empresário que havia celebrado contrato com o município para prestação de serviços de manutenção corretiva e preventiva de equipamentos médicos e odontológicos.

Pelo contrato, conforme o MP, a prefeitura deveria remunerar mensalmente a empresa contratada, mas os pagamentos não estavam sendo realizados em dia. O município teria atrasado por até três meses e o adimplemento dos valores passou a ser condicionado pelo gestor ao recebimento mensal de propina no valor de R$ 3 mil.

De acordo com o MP, o pagamento teria sido feito da seguinte forma: o município de Soledade pagava à empresa pela prestação do serviço contratado; em seguida, a empresa transferia parte desse valor à conta pessoal do empresário e este, por sua vez, sacava os R$ 3 mil e entregava, em espécie, ao prefeito Geraldo Ramos.

´Segundo o Jornal da Paraíba, na denúncia o MP pediu ainda ao TJPB a condenação do prefeito à perda do cargo, função pública ou mandato eletivo e o ressarcimento de R$ 21 mil aos cofres públicos, corrigidos monetariamente. O blog procurou, por telefone, o prefeito Geraldo Moura, mas até agora não conseguiu contato com ele para falar sobre a denúncia.

Foto: Reprodução Google.

Comentários