O Orgulho LGBT+, celebrado internacionalmente no dia 28 de junho, vai ser lembrado na Paraíba com três encontros virtuais realizados na rede social da Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana, de 28 a 30 de junho, às 19h, no perfil do Instagram @semdhgovpb. Os temas das mesas vão abordar questões como educação, empregabilidade e os efeitos da pandemia relacionados ao aumento da exclusão social. A Parada do Orgulho LGBT+ celebrada todos os anos nas ruas de várias cidades paraibanas foi substituída nestes tempos de pandemia do Covid-19 para ser comemorada em casa, durante o isolamento social.

“A data é um marco histórico de reconhecimento da luta pela visibilidade da cidadania LGBT, pelo direito de viver, de amar, de ser livre, pelos direitos humanos de existir e ter acesso à educação, à cultura, ao lazer, à saúde, ao emprego, à moradia, à alimentação. Essa data é necessária para visibilidade a este movimento, que abriu o caminho para ser quem somos, lutar para sermos quem gostaríamos de ser neste país tão violento para nossa população LGBT+”, afirma o gerente de Direitos LGBT da Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana, Fernando Luiz.

Segundo a secretária da Mulher e da Diversidade Humana, Lídia Moura, nestes tempos de pandemia, a realidade da vida da população LGBT de maior vulnerabilidade ficou mais difícil, mas o governo mantém funcionando os Espaços LGBTs com atendimento virtual e também a entrega de cestas básicas para a população mais vulnerável.  Os Espaços LGBTs de João Pessoa e Campina Grande já atenderam mais de 15 mil pessoas.

“Por isso, as ações governamentais estão voltadas para atender os LGBTs desempregados e desempregadas nas periferias de nossas cidades e a quem historicamente estes direitos são negados. Continuamos com os serviços de atendimento dos Espaços LGBTs de João Pessoa e Campina Grande. Ambos estão funcionando de forma virtual e também estamos apoiando as organizações LGBTs com a entrega de alimentos”, disse Lídia Moura.

51 anos de luta – A data que completa este ano 51 anos foi  marcada pela revolta de Stonewall, em 1969, nos Estados Unidos, quando gays, lésbicas e travestis enfrentaram policiais e iniciaram uma rebelião que lançaria as bases para o movimento pelos direitos LGBT nos Estados Unidos e no mundo. O episódio, conhecido como Stonewall Riot (Rebelião de Stonewall), teve duração de seis dias e foi uma resposta às ações arbitrárias da polícia, que rotineiramente promovia batidas e revistas humilhantes em bares gays de Nova Iorque.

Mesas virtuais – Garantindo + Direitos e Cidadania

Dia 28 – 19h

Mesa Virtual: TEMPOS DE PANDEMIA: mecanismo de exclusão para acesso aos programas sociais de governo para população LGBTQIA+ (Renildo Lúcio de Moraes, Assistente Social do Espaço LGBT João Pessoa; Gleidson Marques, Psicólogo do Espaço LGBT João Pessoa) Dia 29 – 19h:

Mesa Virtual: Empregabilidade, Habitabilidade e Renda para a população

LGBTQIA+

Palestrantes: Beatriz Duarte (Associação das Transfeministas da Paraíba – Astrapa), Gabriel Oliveira (Coletivo de Homens Trans – PeTris) e Cleudo Gomes (Pedagogo e Mestre em Educação e Movimento do Espírito Lilás) Mediadora: Aniely Mirtes (Gerência Executiva de Direitos Sexuais e LGBT/SEMDH/PB e Grupo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais Maria Quitéria).

Dia 30 – 19h:

Mesa Virtual: Educação, Gênero e Direitos Humanos: Embates Jurídicos sobre a “Ideologia de Gênero”.

Palestrantes: Olímpio Rocha (advogado) e Herry Charriery (Advogado e Coordenador do Centro de Estadual Referência dos Direitos de LGBT e Enfrentamento a LGBTfobia – Luciano Bezerra em CG/PB)

Foto: Reprodução Google.

Comentários