O secretário de Estado da Educação e da Ciência e Tecnologia, Cláudio Furtado, tratou de tranquilizar os estudantes da rede pública estadual, nesta segunda-feira (25), ao afirmar que o ano letivo de 2020 será concluído, apesar das restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus, que suspendeu as aulas presenciais desde o mês de março.

“O ano letivo não vai ser perdido! A gente sabe das dificuldades que todas as redes, não só as públicas, mas também as particulares dos 27 estados, estão passando por esse período de adaptação, quando a casa do estudante passa a ser a sala de aula. Então, você e família precisam se adaptar com a questão dos horários e da acessibilidade”, disse o secretário em entrevista ao Correio Debate, da 98 FM.

Segundo o Wscom, na ocasião, Cláudio Furtado afirmou que a Plataforma Virtual “Paraíba Educa”, lançada pelo Governo do Estado, com videoaulas e conteúdos pedagógicos para os estudantes, vem atingindo bons índices de acessibilidade, apesar das dificuldades socioeconômicas dos estudantes.

“Pensando nessa universalização, o nosso plano de ensino remoto na Paraíba é baseado no Plano de Ação Estratégico Escolar, ou seja, atendendo a situação socioeconômica de cada escola. Ela quem diz quais são as plataformas a utilizar, se vai ser a Plataforma Paraíba Educa, se lá tem uma série de ferramentas de acesso via internet”, diz.

Para atender aos estudantes em situação de vulnerabilidade social, moradores da zona rural, ou etnia indígena, que não tem acesso à internet ou sequer ao sinal de telefonia celular, o secretário argumenta que o Plano de Ação Estratégico Escolar estabelece que o conteúdo escolar seja enviado na forma impressa para cada família. “Isso garante que a escola mantenha conteúdo para esse estudante e, na volta, faremos uma reposição, dependendo de escola a escola, para atender a todos, sem distinção”, frisou.

Aplicativo Paraíba Educa

Por fim, Cláudio Furtado anunciou que o Governo do Estado finaliza o processo burocrático para o lançamento do Aplicativo Paraíba Educa, que oferecerá acesso gratuito às videoaulas, material de disciplinas, entre outros conteúdos, por meio de smartphones.

“O estudante pode não tem recursos para comprar um pacote de internet, mas, certamente ele tem um celular de qualquer uma das quatro grandes operadoras. Portanto, ele vai acessar a plataforma sem pagar nada do seu pacote de dados. Estamos no final do trâmite burocrático para anunciarmos essa, que terá um amplo alcance dos estudantes ao ensino remoto”, concluiu.

Foto: Reprodução Google.

Comentários