A força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, integrada por membros do Ministério Público, publicou nota de repúdio contra o que os procuradores classificam como “tentativas de interferência do presidente da República na Polícia Federal em investigações e de acesso a informações sigilosas”.

A manifestação do grupo se deu instantes após Sergio Moro pedir demissão do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública, no final da manhã desta sexta-feira (24). A decisão de Moro foi motivada pela exoneração do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Mauricio Valeixo, publicada no Diário Oficial da União (DOU), nesta madrugada.

Moro afirmou que Bolsonaro havia lhe prometido autonomia na função, mas que, já há algum tempo, o presidente buscava interferir no comando da PF, sem justificar a motivação de uma possível troca na chefia da instituição. 

Na nota, os procuradores afirmaram que “a Lava Jato demonstra que o trabalho do estado contra a corrupção exige instituições fortes, que trabalhem de modo técnico e livre de pressões externas nas investigações e processos. Assim, a escolha de pessoas para cargos relevantes na estrutura do Ministério da Justiça e da Polícia Federal deve ser impessoal, guiada por princípios republicanos e jamais pode servir para interferência político-partidária nas investigações e processos”, afirma.

Os procuradores afirmam que “as investigações devem ser protegidas de qualquer tipo de ingerência político-partidária e é inconcebível que o Presidente da República tenha acesso a informações sigilosas ou que interfira em investigações”.

A equipe que integra a força tarefa finalizou a nota afirmando que esse tipo de interferência compromete gravemente o combate à corrupção. “A tentativa de nomeação de autoridades para interferir em determinadas investigações é ato da mais elevada gravidade e abre espaço para a obstrução do trabalho contra a corrupção e outros crimes praticados por poderosos, colocando em risco todo o sistema anticorrupção brasileiro”, concluiu.

Crédito imagem: Reprodução

News Paraíba com CNN Brasil

Comentários