Brasileiro nunca retirou tanto dinheiro da poupança como em janeiro

Com o rendimento em baixa por conta da queda dos juros, a poupança terminou o primeiro mês deste ano com um saldo negativo de R$ 12,3 bilhões. Foi a maior retirada mensal líquida da história.

Segundo o Correio Braziliense, dados divulgados nesta quinta-feira (6/2) pelo Banco Central mostram que os brasileiros depositaram R$ 216,9 bilhões na caderneta de poupança em janeiro de 2020. Já os saques foram mais volumosos: somaram R$ 229,3 bilhões e levaram a retirada líquida ao recorde dos R$ 12,3 bilhões; 

Segundo a série histórica do Banco Central, que começa em 1995, só em janeiro de 2016 a retirada líquida havia se aproximado de um patamar como esse — chegou a R$ 12,03 bilhões na ocasião.

Tendência

O motivo dos saques em 2020, contudo, é bem diferente do de janeiro de 2016, quando o saldo negativo foi explicado pela crise econômica, que deixou muita gente sem emprego e, portanto, sem dinheiro para pagar as contas.

Agora, a poupança está rendendo menos que a inflação. E esse rendimento ainda foi achatado com o novo corte da taxa básica de juros (Selic), que passou de 4,5% para 4,25% ao ano nessa quarta-feira (5/2). Quando a Selic está inferior aos 8,5%, o rendimento da caderneta de poupança representa 70% da Selic mais a taxa referencial, que está zerada.  

Em janeiro, portanto, o rendimento da poupança era 3,15%. E, agora, com a Selic em 4,25%, foi para 2,98%, bem abaixo da inflação prevista para este ano, que é de 3,4%. Dessa forma, para analistas, a tendência é que a retirada da popupança continue alto.

Foto: Reprodução Google.

Comentários