Claro
Escuro

Tribunal de Justiça acolhe recurso da Promotoria de Cabedelo e determina que imóvel retorne ao município

A Justiça deferiu o recurso interposto pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e determinou a suspensão do pedido liminar feito pela Construtora e Incorporadora Boa Nova Ltda para mantê-la na posse de um imóvel localizado em área pública no bairro de Intermares, no município de Cabedelo. Também foi determinado pelo desembargador-relator, Leandro dos Santos, da Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), a reintegração de posse do imóvel em favor do Município de Cabedelo, até o pronunciamento final do colegiado.

- Continua depois da Publicidade -

O agravo de instrumento com pedido de efeito suspensivo foi interposto pela Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Cabedelo contra a decisão proferida pela juíza da 4ª Vara Mista da comarca.

Conforme explicou o promotor de Justiça Ronaldo Guerra, foi ajuizada ação civil pública em face à doação ilegal de áreas públicas feitas em 2017 pelo Município, com o aval da Câmara de Vereadores, às empresas A2 Engenharia e Incorporação Ltda e Construtora e Incorporadora Boa Nova Ltda. Na ação, a promotoria argumenta o descumprimento da Lei de Licitações, aponta irregularidades nos atos e requer o reconhecimento da inconstitucionalidade das Leis Municipais 1.838/2017 e 1852/2017 para declaração da nulidade dessas doações.

Durante o processo, a construtora Boa Nova ingressou com um pedido de liminar, alegando que já havia feito benfeitorias na área doada e requereu a manutenção da posse do imóvel. O pedido foi deferido no 1° grau, por isso o MPPB recorreu ao TJPB, sustentando que a concessão da liminar era descabida, uma vez que a posse da área pública em questão já havia voltado formalmente ao patrimônio do Município de Cabedelo, em razão da revogação das leis municipais que permitiram a doação dos terrenos. “Cabe à agravada (a empresa Boa Nova), caso entenda ter suportado dano material em decorrência da edição da lei revogadora, face aos gastos dispendidos para cumprimento dos encargos relativos à doação hostilizada, pleitear sua reparação em outra ação, emergindo o contexto do ressarcimento civil por parte do Município de Cabedelo”, argumentou o promotor.

Na decisão, o desembargador-relator destaca ainda que não se tem notícias de que a empresa já tenha iniciado obras no local e que, diante da controvérsia acerca de quem é o real proprietário do imóvel disputado, mostra-se prudente, diante da presunção da constitucionalidade dos atos legislativos, que a posse seja atribuída ao Município de Cabedelo, pois evita que a construtora realize obras no local, preservando-a de prejuízos maiores, caso saia derrotada na ação principal.

Foto: Reprodução Google.

Mais Lidas

Vitor Hugo garante pagamento do piso nacional para a Educação de Cabedelo

Os profissionais da Educação da cidade de Cabedelo, na Região Metropolitana da Capital, já têm motivo pra comemorar neste início de ano.

Prefeito do PL também anuncia adesão à base política do governador João Azevêdo

O prefeito de Paulista, Valmar Arruda (PL), anunciou, nesta quarta-feira (26), sua adesão à base política do governador João Azevêdo. A decisão...

Bolsonaro autoriza aumento de 33% para piso de professores

O presidente Jair Bolsonaro autorizou o Ministério da Educação a conceder"máximo possível" de aumento para o piso de professores. De acordo com...

Justiça arquiva inquérito que citava ex-deputado da Paraíba em ‘Caixa 2’ da Odebrecht

Uma decisão da 16ª Vara da Justiça Federal na Paraíba determinou o arquivamento de um inquérito que apurava supostas doações feitas pela...

Hospital Metropolitano de Santa Rita, PB, atinge 100% de ocupação dos leitos de Covid-19

O Hospital Metropolitano de Santa Rita atingiu 100% de ocupação dos leitos de Covid-19. A informação foi confirmada pela assessoria de comunicação...