Claro
Escuro

Em delação, Ivan Burity detalhou que Bradesco e Alpargatas condicionaram doações à campanha de Ricardo em troca de benefícios no Estado

A Revista Crusoé publicou reportagem intitulada “O Cabral Socialista”, nesta sexta-feira (10), em que detalha trechos das investigações da Operação Calvário envolvendo o Governo da Paraíba, na época da gestão do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB). Em determinada parte do texto assinado pelo jornalista Fábio Serapião, ele relata trechos da delação premiada do ex-secretário de Turismo, Ivan Burity, em que revela suposta negociação envolvendo o Banco Bradesco e a empresa Alpargatas, que teriam condicionado a doação de campanha à reeleição do socialista, em 2014, em troca de benefícios do Governo do Estado.

- Continua depois da Publicidade -

“A ordem, diz o delator, era ‘ir pra cima’ e conseguir 3 ou 4 milhões de reais. Deu certo. Burity conta que o Bradesco e a Alpargatas concordaram em dar o dinheiro, oficialmente, mas as doações foram condicionadas a benefícios no governo de Coutinho. Diz ele: ‘Os benefícios do Bradesco estavam relacionados ao processamento e operacionalização dos créditos consignados tomados pelos servidores públicos estatais ao passo que Alpargatas tinha benefícios fiscais’. Teria funcionado.”, diz a matéria da revista Crusoé.

Em trecho da delação reproduzido pela Revista Crusoé, Ivan Burity conta que a doação estreitou a relação do Bradesco com o grupo de Ricardo Coutinho. “Fato relevante: A partir deste evento a relação com Ricardo Coutinho e seu governo se estreitou com o Bradesco de tal forma que não só os consignados foram mantidos, mas também a folha de pagamento do Estado migrou do Banco do Brasil ao Bradesco, tudo intermediado por Livânia, que era secretária de administração”, contou.

A reportagem, chega a comparar o ex-governador, Ricardo Coutinho a Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro, intitulando o paraibano como o “Cabral socialista”. “Assim como a Lava Jato, a Operação Calvário, do Ministério Público da Paraíba, batizou sua sétima fase de Juízo Final. Ao prender o ex-governador Ricardo Coutinho, do PSB, às vésperas do Natal, a investigação descortinou o funcionamento de um esquema azeitado de corrupção que, dizem os investigadores, era comandado pelo socialista e tinha tentáculos que alcançavam o Tribunal de Contas do estado, o Judiciário, o Ministério Público e a Assembleia Legislativa”.

Capa da Reportagem da Revista Crusoé (Reprodução)

News Paraíba com WSCOM

Mais Lidas

Prefeitura de Bayeux suspende atendimento presencial em repartições públicas por sete dias

O atendimento presencial em secretarias municipais e demais órgãos da Prefeitura de Bayeux está suspenso por sete dias. A medida anunciada nesta...

Governo descarta fundo para baixar preços de combustíveis e Guedes quer desonerar só diesel

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) decidiu descartar a proposta de criação de um fundo de estabilização...

Governo libera R$ 3,5 bi para internet nas escolas

O presidente Jair Bolsonaro (PL) assinou decreto estabelecendo critérios para o repasse de R$ 3,5 bilhões para dar acesso à internet a...

Papa diz que fake news e desinformação sobre Covid são uma violação dos direitos humanos

O Papa Francisco disse nesta sexta-feira (28) que a disseminação de notícias falsas e desinformação sobre a Covid-19 e vacinas, inclusive pela...

Flamengo anuncia a contratação de Marinho, do Santos, seu primeiro reforço de 2022

O Flamengo oficializou nesta sexta-feira a contratação do atacante Marinho, que estava no Santos. Ele desembarcou no Rio de Janeiro na noite...