Eitel ameaça Janot: “Não teria coragem de me criticar porque sei muita coisa dele”; assista

O paraibano Eitel Santiago de Brito Pereira, subprocurador geral da República aposentado, e atual secretário geral do Ministério Público da União, concedeu nessa segunda-feira (6), entrevista polêmica ao programa Frente a Frente, apresentado pelo jornalista Luís Torres na TV ArapuanVeja vídeo abaixo.

Braço direito do atual procurador geral da República, Augusto Aras, o paraibano fez críticas à atuação do ex-procurador geral, Rodrigo Janot, que publicou recentemente livro contando bastidores de sua passagem pelo cargo.

Para Eitel, Janot excedeu-se nas concessões que foram feitas a Joesley Batista, empresário da JBS, que colaborou com processos da Lava Jato. “Deu perdão em excesso para chefe de organização criminosa, e a lei não impõe isto”, declarou.

Mas foi ao falar sobre o livro do “colega” que Eitel foi mais claro e chegou a fazer ameaça a Janot. “Não teria coragem de fazer crítica alguma a mim, porque se o fizer vou contestá-lo e vou dizer muita coisa que sei e que censuro da conduta dele”, declarou.

E revelou, ao defender a Lava Jato, acusada pelo site The Intercept de manter acordo com a parte julgadora dos processos, que viu muitas vezes, tarde da noite, Janot receber em seu gabinete o ministro da Justiça da época, Eduardo Cardozo. “Às 21h, quando eu saia (da sede do MPF), várias vezes, o surpreendi com José Eduardo Cardozo, que era ministro da Justiça e depois advogada da presidente Dilma. Então, se a conversa dele é normal, e eu acho que é, é também do procurador com o juiz”, disse.

Eitel elogiou o papel da Lava Jato, mas admitiu que houve sim alguns excessos. “Não dou 100% de acerto porque vejo que, em determinados momentos, passa um pouquinho do que a lei permite”, declarou. “Mas no geral a Lava Jato é um conquista do povo”, completou.

Segundo ele, existem órgãos correcionais dentro do Ministério Público que pode conter eventuais abusos. Sobre as mensagens do Intercept, ele admitiu que a conduta “foge um pouco ao que deve ser usual do relacionamento do que deve ser do membro do Ministério Público e do Judiciário”.

News Paraíba com Paraíba.com.br

Facebook Comments