Durante live, Eduardo Bolsonaro cita falsa notícia dada por Moro durante coletiva no Planalto

Em live realizada nesta quarta-feira (1º), o deputado federal Eduardo Bolsonaro citou uma fakenews publicizada pelo Ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, dando conta da prisão de um homem com armas e drogas e que cumpria prisão domiciliar, no Rio Grande do Sul, liberado do cárcere em virtude do surto de Coronavírus no país.

Para justificar sua fala, o filho do presidente da república afirmou não haver aprovação da população diante de tal medida e que as autoridades não mostraram dados que comprovem focos de Covid-19 nos presídios brasileiros.

“Ainda não vi nenhum presídio infestado de Covid-19”, disse.

E arrematou com a dado exposto por Moro na coletiva desta terça (31).

“No vídeo do Moro que o Cabo Júnior Amaral compartilhou, salvo engano ontem, ele fala exatamente isso. Soltaram o cara e em menos de uma semana pegaram o cara com 126 quilos de cocaína, uns 7 quilos de crack, meia dúzia de fuzis, uma submetralhadora, 5.500 munições pra fuzil. Enfim, será que era o caso mesmo de soltar essa pessoa?”, questionou Eduardo.

O vídeo ao qual o filho de Bolsonaro se refere é o do trecho da entrevista coletiva concedida pelo ministro Moro ontem no Palácio do Planalto.

No final dos pronunciamentos da equipe de governo que estava presente, o ministro pediu a palavra e citou um caso que havia acabado de receber no seu celular.

“Situação do indivíduo que é colocado em prisão domiciliar por questões humanitárias relacionadas ao coronavírus e uma semana depois é apreendido com ele tanta quantidade de droga, tanta quantidade de arma. Pelo jeito não estava tão precisando, tão doente assim pra ser colocado em liberdade. Então, precisa ter uma análise de cada caso, não pode ser colocado em liberdade indiscriminadamente. Esse é um apelo que eu faço, é importante”, disse o ministro.

Houve, de fato, uma operação na cidade de Bom Campo, no Rio Grande do Sul, mas o homem preso não cumpria pena e, portanto, comprovadamente não estava em prisão domiciliar por causa do coronavírus.

No último dia 17, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) emitiu uma recomendação para que os tribunais avaliem medidas de prevenção à Covid-19 em presídios. Entre elas, está a possibilidade de concessão de prisão domiciliar para presos em cumprimento de pena em regime aberto e semiaberto ou em casos suspeitos ou confirmados da doença.

Crédito imagem: Reprodução

News Paraíba

Comentários