Coronavírus: Maia cobra do governo política ‘séria’ para isolamento de idosos

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou nesta quarta-feira (25) do governo federal uma política “séria” para o isolamento de idosos em meio à pandemia do novo coronavírus.

Mais cedo, nesta quarta, o presidente Jair Bolsonaro repetiu críticas às medidas de isolamento e quarentena adotadas em alguns estados e defendeu a adoção de um “isolamento vertical”, isto é, somente do público mais vulnerável à doença, como os idosos.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, os idosos são “os mais atingidos” pelo coronavírus.

“Como alguém pode falar em isolamento vertical se até hoje não apresentou uma proposta de contingenciamento para os idosos brasileiros mais pobres? Eu fico pensando: como o governo pode falar de um assunto, sabendo que nós temos milhares de idosos nas comunidades do Rio de Janeiro, que São Paulo tem 7 milhões de pessoas acima de 60 anos, muitas delas certamente de baixa renda, e até hoje a gente não viu do governo qual a política para isolar os idosos?”, indagou Rodrigo Maia.

“A partir do momento em que o governo tiver uma política séria, responsável, olhando com mais cuidado e mais urgência esses idosos que vivem nessas comunidades, e construir uma solução de isolamento para essas pessoas, distante daqueles que vão sair da comunidade para trabalhar, ou para a escola, e voltar, certamente você tem condição de daqui algumas semanas liberar os mais jovens para proteger os mais idosos”, acrescentou o presidente da Câmara.

Maia defendeu ainda a necessidade de organizar uma “operação de guerra” para conseguir garantir a eficácia do isolamento vertical dos idosos. Ele ponderou que muitos deles vivem em comunidades carentes e em casas pequenas, que geralmente abrigam muitas pessoas, incluindo jovens que estariam liberados do isolamento.

“Pedir uma operação, uma liberação vertical, sem a gente ter feito uma operação de guerra para proteger os idosos que vivem em várias comunidades, em todos os estados, me parece […] que não há uma preocupação com esses brasileiros que vivem em ambientes pequenos, com muitos parentes, muitos jovens e que certamente saindo para trabalhar, voltarão para suas residências e contaminarão milhões ou milhares de brasileiros”, afirmou.

Crédito imagem: Reprodução

News Paraíba com G1

Facebook Comments