Por repercussão negativa, Fluminense-BA desiste de contratar Bruno

O Fluminense de Feira, equipe que disputa a primeira divisão do Campeonato Baiano, desistiu da contratação do goleiro Bruno Fernandes, de 35 anos, que cumpre pena em regime semiaberto domiciliar pelo assassinato de Eliza Samudio, em 2010. Em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira, 7, o presidente do clube, Ewverton Carneiro, conhecido como Pastor Tom, admitiu que a decisão foi tomada depois da repercussão negativa do eventual acerto.

Segundo a Veja, um dia antes, o próprio presidente chegou a dizer que faltavam apenas detalhes jurídicos para o acerto ser concretizado.  “Esses dias foram de muita confusão para mim, para a diretoria, para o Fluminense de Feira, pro povo de Feira, para a minha família”, afirmou Pastor Tom. “Nossa conclusão é que estamos em uma administração nova e não queremos polemizar. Muito pelo contrário. Nós queremos resgatar aquelas pessoas que iam para o estádio para que voltem ao estádio. Essa é a nossa preocupação, de trazer os torcedores de volta para o clube”, justificou.

Nas redes sociais, o clube de Feira de Santana emitiu um comunicado, repleto de erros de português e novamente bastante criticado nas redes sociais, para justificar a desistência e pedir apoio. “Pedimos áos [sic] mesmos que usaram ás [sic] sociais para criticarem a possível contratação, agora use ás [sic] mesmas para auxiliar o Fluminense de Feira, e até mesmo se associando ao clube”, diz o trecho final.

Assim que a notícia do interesse de Bruno se espalhou, torcedores do clube demonstraram revolta nas redes sociais. Um  editorial de Jessica Senra, apresentadora da TV Bahia, afiliada da Rede Globo, foi o que mais repercutiu. Nele, a jornalista critica a escolha do Fluminense de Feira de dar uma nova oportunidade ao goleiro Bruno. Assista abaixo:

Bruno foi preso em setembro de 2010 e condenado em março de 2013 pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado do filho dos dois. Dos 20 anos de pena, Bruno cumpriu quase nove anos em regime fechado e, em julho, conquistou o direito de voltar ao regime semiaberto, que autoriza o detendo a trabalhar durante o dia, em Varginha (MG). Ao deixar a prisão, ele já passou brevemente por dois clubes, o Boa Esporte, em 2017, e o Poços de Caldas, em 2019.

Comentários